Walk...


Nunca percebi porquê mas desde muito cedo entrou em mim e dizia claramente o que em Português parecia impossível.
Como se uma palavra significasse palavras e a simples variação da entoação decifrasse emoções desconhecidas de Camões.

A constante divagação e repetição exaustiva na procura da construção ideal daquelas frases que aqui dentro ocupavam infinitas páginas de memórias nunca partilhadas e cuidadosamente sussurradas garantindo a aparente e imprescindível sanidade mental que de contrário traria sérias repercussões e vergonhas insustentáveis.

Do alto do meu mundo observava os pobres infelizes que se afundavam em dificuldades crescentes e assustadoras para pôr em prática a mais básica forma de comunicação com resultados coerentes e de significativo entendimento.

Não era o egoísmo que me impedia de revelar o meu segredo mas a absoluta certeza da incapacidade óbvia de entenderem tal linguagem e de tal revelação ser potencial responsável por um acréscimo substancial do ambiente caótico já evidente.

Com uma tristeza conformada de consciência tranquila e nos ombros o peso da enorme perca que significava a minha decisão de definitivamente ocultar o segredo da resolução da incapacidade de comunicação entre os meus pares que prosseguiam na paz que só a ignorância permite sentir, guardei para sempre, cá dentro, tamanho tesouro.

Lembro nitídamente as sensações de desconforto e revolta pelo desperdício de infindáveis horas dedicadas naquelas salas austéras e frias á aprendizagem desta lingua Portuguesa e consequente e inevitável empobrecimento da minha.
Walk... 
Presumo que foi nesse período que se instalou em mim uma tristeza que ainda hoje persiste.
Os anos obrigaram-me a ceder á invasão pelo racicionar quase constante na língua Portuguesa.
Walk... 
Walk... Walk... 
Porém, ainda hoje e por motivos que desconheço e sempre me surpreende volta o que nunca de cá saiu.
Walk...
Walk... Walk...
Olhava para o mapa quando surgiu...
Inevitávelmente, também aquela tristeza me invadiu.

Walk... Walk alone...

|levo-te comigo|cá dentro|sempre|

22 comentários:

MARIA MERCEDES disse...

Ou se gosta, ou se odeia, mas nunca se destrói uma língua, uma identidade cultural, por decreto!

E isso é um facto! Não um fato...

beijinhos andantes

Café com Natas disse...

Gosto de ler-te.
A nossa língua é o nosso maior tesouro social...
Boa viagem again... walk in the land of th king and sing for me...Hakuna Matata ou então... Batata, as you wish..lol
Beijinho e um coffe cream

O Árabe disse...

Parabéns, amigo. Eis um texto que bem honra o idioma que defende!

KI disse...

"As I walk alone I wonder..."

Onde andas? A esta hora? Já as sombras morenas te encantaram, e as cores do por do sol se tatuaram em ti? Gravaste na memória a essência dessa terra? O aroma do café que parece colorir um dia?

Pergunto-me se dormes. Se apetece não dormir e viver intensamente os dias mágicos duma terra quente que vibra e nos incendeia a alma.

Essa África que tem bater de coração. Esse teu coração que parece ter imenso espaço de sonhos, sorrisos e descobertas.

A tristeza dissipou-se? Sorri ternamente, sorrindo aos outros como se te oferecesses um abraço e respira, respira esse ar que parece dizer que a vida é tão grande que às vezes não lhe achamos tamanho.

Beijo no vento...ou na monção :)

ivone disse...

só não
se a tristeza é uma companhia...

Å®t Øf £övë disse...

Zé,
Walk forever... e nunca o deixes de fazer na perseguição daquilo em que acreditas.
Abraço.

KI disse...

Olá...

Esperava-te hoje. Espero que estejas bem e que a viagem tenha sido boa.

Beijo de boa noite :)

Anónimo disse...

ainda aqui...

Blue Eyes disse...

Então sejas bem regressado!

Abraço

ego disse...

Talvez porque o mais puro de nós reside na infância e na língua que, nessa altura usávamos.

:)

zm disse...

Maria Mercedes,

Estou completamente de acordo contigo.
É um facto. Sempre será.
Tenho dito.

Beijinhos parados (sentados)

zm disse...

Café com Natas,

Vindo de quem escreve e descreve com uma lúcidez poética emoções de uma beleza invulgar e sentida como Tu, fico efervescente de orgulho e alegria que gostes.

Um tesouro aí dentro!!

Por isso eu canto Hakuna "Batata"... :) :)

Beijinhos

zm disse...

Árabe,

Obrigado pelas tuas palavras.
Português é lindo!!
( E traiçoeiro. Dizem...)

Gosto de te ver aqui.

Grande abraço
Amigo

zm disse...

Ki,

...

Fico comovido, sem palavras...
Leio-te uma e outra vez... outra vez...

Bom que não me senti sózinho. Só.
Cá dentro... sempre.
E naqueles momentos te abracei.

...

Beijo

zm disse...

Ivone,

E por vezes uma alegria...

zm disse...

Art,

E eu acredito!

Grande abraço

zm disse...

Ki,

É bom saber que nos esperam...

Obrigado.

Beijo de boa noite
Beijo de bom dia
beijo

zm disse...

Blue Eyes,

Obrigado, muito obrigado.

Abraço

zm disse...

Ego,

Essa é a única e verdadeira pureza!
Em todas as linguas...

:) x n

zm disse...

Anónimo,

E eu ainda aqui... Também!

Sê bem vindo/a

inBluesY disse...

:)
afinal onde estamos e por onde queremos ir?

zm disse...

Inbluesy,

Pergunta complicada...
Hoje?

:)